Tag Archives: Sérgio Godinho

“É terça-feira e a Feira da Ladra…” (1): André Lwoff, um Nobel da Medicina por 50 cêntimos apenas


Escondido entre uma caderneta de cromos de futebol e um Livro de Mórmon, surge-nos a versão francesa de “L’ordre biologique – une synthèse magistrale des mécanismes de la vie”, de André Lwoff, Prémio Nobel da Medicina em 1965. Um verdadeiro achado que explora esse “tema fascinante: a vida”. Assim, sem tirar nem pôr, a Biologia e as suas bases.

É a nossa primeira partilha da nova rubrica É terça-feira e a Feira da Ladra… (título deliberadamente roubado à canção de Sérgio Godinho), que tem traços simples: descobrir e partilhar “pechinchas” (aviso: encontraremos livros, essencialmente) sobre ciência à venda na Feira da Ladra, em Lisboa.

Não fazemos revenda dos livros que descobrimos, mas estamos dispostos a oferecer os produtos aqui apresentados ao primeiro que se candidatar a levantá-lo em mãos. Em troca apenas pedimos conteúdos originais sobre ciência (fotografias, desenhos, vídeos, textos, etc…) que servirão, também eles, de alimento para este blogue.

O achado:
Título: l’ordre biologique – une synthèse magistrale des mécanismes de la vie
Editora: marabout université
Data de edição: 1970
(versão francesa)
Custou na Feira da Ladra: 0,5 euros

Publicado por Sílvio Mendes

Literatura e Ciência (15): Sérgio Godinho «nunca tinha visto a lua tão perto de Vénus»

Sérgio Godinho começa a ser um caso sério neste blogue. Já o apresentámos em versão vídeo, em versão letrista de fado, e agora voltamos à carga com um poema, retirado do livro O Sangue Por um Fio (Assírio e Alvim, 2009).

«Noite de estrelas e planetas

Noite de estrelas e planetas
não estava previsto.
O certo é que tinha estafado os olhos
numa tarde ensanguentada
e agora quero ver como é por dentro:

Constelações alinhadas ao sol poente
por ordem do caos sem nome
prontas a aprumar-se ao mínimo clarim
por ordem da sua entrada
nos desenhos do universo
(ao sol poente
desce o sangue a outra morte, está previsto
e desenhado).

Nunca tinha visto a lua tão perto de Vénus
por cima de Júpiter já foge, a hora é fugaz –
ao sentimento fugaz desce a noite antiga
segue o rumo.

Avisei, durante o dia, para a noite e o seu tamanho
e já portanto
não há surpresa que escureça
a incandescência
(vês por dentro? são estrelas ou planetas?).
Luz própria é mensageira
luz reflexa quem a sorve.

Ou está tudo
os recados
por abrir?»

Publicado por Sílvio Mendes

Colaboração Camané/Sérgio Godinho: Eis uma possível raíz para os fados de ciência


Partimos para o fim-de-semana com um fado para a ciência (e de ciência, se nos permitem o exagero). Letra e música de Sérgio Godinho, oferecidas à voz elegante de Camané. Sonhar durante o fado integra o álbum Sempre de mim (2008) e, às páginas tantas, canta-se assim:

«A peça
Que partiu só se conserta
Se alguém de dentro
Fizer melhor
E na janela
Ficar aberta
Em todo, a transparência
E o amor, como a ciência
À vez verificado
Como o destino é o presente do passado
Sonhar durante o fado
Sonhar durante o fado»

Publicado por Sílvio Mendes

Sérgio Godinho: voz da ciência

Sérgio Godinho, no seu estilo narrativo doce-doce-doce, explica-nos a origem dos cometas no programa “1 Minuto de Astronomia”, em exibição nos canais da RTP. É delicioso ouvir através da sua voz: «há, de repente, milhares de cabelos a arderem na atmosfera, abrem rasgos de luz no céu, e vêem-se de cá».  Temos contador de histórias… de ciência.

Nota: O programa “1 Minuto de Astronomia” é apresentado sempre por uma figura pública diferente. Sílvia Alberto, Nicolau Breyner, Carla Chambel, Helena Coelho, Jorge Gabriel, Maria Gambina, Nuno Markl, Margarida Martins, Francisco Mendes, Luís Represas, Cláudia Semedo e Vitor de Sousa são os outros nomes que aceitaram o desafio.

Publicado por Sílvio Mendes