Querido pai, queridas mães, então que tal? (com humor)

Image

Cada vez se ouve mais em legalizar a técnica de procriação assistida que consiste na substituição das mitocôndrias. Trata-se de uma técnica engraçada e, ao que parece, eficaz. Apenas tem um pequeníssimo detalhe, praticamente despercebido, insignificante. Que é o seguinte:
A criança que nascer irá ter três progenitores.

Mas porquê substituir as mitocôndrias?
O DNA presente nas mitocôndrias é transmitido apenas pela mãe, e pode sofrer mutações que originam graves doenças. Assim, para evitar males maiores, o rebento de uma mulher que recorra à substituição das mitocôndrias irá ter:

– Metade dos cromossomas do pai.
– Metade dos cromossomas da mãe.
– DNA mitocondrial de uma mulher desconhecida, porém caridosa, que decidiu emprestar as suas baterias celulares que estavam em bom estado.

Na minha humilde opinião, a grande questão aqui nem é ter 3 pais, mas sim 6 avós. Já para não falar do número de tios e tias. O que é que isto significa? Ainda mais pares de meias brancas com o símbolo das raquetes de ténis na altura do Natal.

E no meio de tantas controvérsias, não acredito que em Portugal esta técnica tenha pernas para andar. A não ser que haja um sorteio de mitocôndrias com base nas facturas que pedimos com o número de contribuinte.

Publicado por Pedro Lino

Água mole em pedra dura… (com humor)

Image

Quando vejo alguém a olhar constantemente para o céu fico sempre na dúvida. Nunca sei se se trata de uma pessoa religiosa, ou se é um astrofísico.
Por outro lado, consigo distinguir perfeitamente um matemático de um psicólogo na sala de espera de um consultório médico. O matemático é aquele que joga sudoku na última página de uma revista, enquanto o psicólogo é aquele que olha fixamente para nós.

Um informático e um biólogo também não é difícil de distinguir, caso estejam ambos numa sala e faltar a luz. O biólogo abre as janelas para usufruir de luz natural, enquanto o informático sai da sala e volta a entrar.

Igualmente simples é verificar num casal com filhos se algum dos progenitores é engenheiro. Basta o filho pedir ajuda aos pais para montar os legos, e um deles recorrer ao AutoCAD.

Já no outro dia descobri que estava perante um cientista que gostava de ter ido para letras. Comecei a desconfiar quando o ouvi referir o conhecido ditado: «Substância inorgânica em estado líquido de propriedade flácida em contacto com fragmento de agregado sólido que compreende elevada resistência a deformações, fustiga amiúde ao ponto de transfixar o referido elemento petrológico».

Publicado por Pedro Lino

Literatura e Ciência (31): Manuel Rivas e o Astronauta que alcatroou uma estrada galega

manuel rivas 01.jpg
O escritor e jornalista galego Manuel Rivas publica, no livro “As vocês baixas” (2012), um magnífico conjunto de histórias que atravessa as suas memórias de infância. Uma delas, cruza a chegada do homem à lua com o ‘astronauta’ que alcatroou um caminho na aldeia de Elviña. Aqui fica essa narrativa:

«O camiño a Elviña era de terra, polo menos até que o home chegou á Lúa, pois xusto foi asfaltado en vésperas da aterraxe do Apolo 11 no verán de 1969. Falábase moito de astronautas e o operario da pistola de alcatrán, que se desprezaba por Castro com pasos foltantes sobre a grava cun escafandro branco, tiña un aire de misión espacial da NASA. Até que quitou o casco do escafandro. Ía moita calor, multiplicada pola exhalación do chapapote. Tiña na cara o brillo xelationoso dunha medusa. Alguén correu a ofrecerlle un xerro com auga. Tardou en falar, co respirar arfante e as palabras derretidas nos beizos. O noso astronauta explicou, por fin, que o enviaba a Deputación. E que o traballo, para o que era, non estaba bem pago.»

Publicado por Sílvio Mendes

 

A Culpa é da Genética (com humor)

9

Sempre achei a genética fascinante. Não raras vezes ouvimos as pessoas comentarem: «Não sei a quem é que a criança sai. O pai é moreno, a mãe é morena, e o puto é loiro».
Enquanto as mentes mais maliciosas pensam em qual será a cor do cabelo do carteiro ou do canalizador, Mendel há muito que desvendou o mistério. Trata-se de um fenómeno de heterozigotia, o que significa que os pais possuem alelos diferentes do mesmo gene. Em outras ocasiões também pode ser devido a um processo biológico conhecido como adopção.

Seja como for, a genética tem sempre a culpa. Recentemente, um grupo de investigadores descobriu que existe um gene (com o simpático nome de RASGRF-2) que é responsável pelo alcoolismo. Curiosamente também foi descoberto um factor genético que é responsável pela sensação de bem-estar no momento em que se ingere cerveja e se assiste a um jogo de futebol – chama-se cromossoma Y.

A genética tem-nos surpreendido muito. Vários estudos têm apontado para o facto de os humanos se terem cruzado com o Homem de Neandertal. O que não é difícil de imaginar, se tivermos em conta a mesma linha de raciocínio para o José Castelo Branco e a Betty.

Não menos curioso são alguns estudos que afirmam que os humanos herdaram genes do tabagismo e da diabetes dos neandertais. Aqui já é suspeito, pois nós, humanos, gostamos muito de deitar as culpas nos outros. Todavia, acredito que os genes responsáveis por deitar as culpas nos outros também possam ter sido herdados dos neandertais.

Importantíssimo ainda é a aplicação da genética no campo da saúde. Há pouco tempo foram descobertos onze genes que estão envolvidos na doença de Alzheimer. No entanto, não me lembro do nome de nenhum deles…

Publicado por Pedro Lino

Ciência em Portugal (sem humor)

ImageRecentemente foram revelados os números que traduzem uma quebra acentuada na atribuição das bolsas de doutoramento no nosso país. Desconfio que, por outro lado, o número de vagas para as jotas do PSD aumentou.
E não é de admirar. Quem é que, nos dias que correm, quer tirar um doutoramento, se pode ter um tacho na autarquia onde o primo-afastado-mas-que-ainda-assim-é-da-família trabalha?

Abaixo a ciência, não precisamos dela. Fechem todos os laboratórios, são supérfluos. Acabem com as universidades, só dão prejuízo. Aplicações e patentes? São inúteis. Eu tenho algumas ideias que penso serem melhores. Ei-las:

– Criar a BV (Bolsa de Vereador), com duração de 4 anos, podendo ser renovável por mais 4. O valor da bolsa corresponde a 1950€ + vales de refeição, que são 6 por dia.

– Inaugurar a FABPN (Fundação Ajudem o Banco Português de Negócios), que se dedica à angariação de fundos para injectar na respectiva identidade bancária.

– Criar o FMIPPAJJ (Fundo Monetário Ilimitado Para as Políticas do Alberto João Jardim), com o objectivo de apoiar a dívida da Região Autónoma da Madeira, assim como o fogo-de-artifício utilizado no Réveillon.

Estas são apenas algumas sugestões. Penso que são políticas como estas que devem andar para a frente, e não questões desnecessárias como «De onde nascem as ideias, a investigação e o desenvolvimento?». Se por acaso surgir algum novo vírus que seja uma ameaça para a saúde humana, aplicamos-lhes um submarino e um estádio de futebol, que fica o problema resolvido.

Publicado por Pedro Lino

Nova espécie dedicada ao Saramago

moluscos

Uma equipa de investigação hispano-cubana identificou 11 novas espécies de moluscos nas Canárias. Com esta descoberta, este grupo liderado por Jesús Ortea, professor jubilado da Universidade de Oviedo, e Juan José Bacallado, do Museo de Ciencias Naturales de Tenerife, que também integra Leopoldo Moro e José Espinosa, do Instituto de Oceanología de La Habana (Cuba), atingiu a marca de 63 novas espécies (10 caracóis e 53 lesmas) identificadas nos últimos 30 anos.

As espécies não têm larvas planctónicas, pelo que a sua capacidade de dispersão é muito limitada. Em combinação com a estrutura fragmentada do arquipélago das Canárias, a especiação foi favorecida.

Entre as novas espécies encontra-se uma da ilha de Lanzarote, que foi denominada Volvarina saramagoi, em honra de José Saramago, Prémio Nobel de Literatura, que residiu nesta ilha. 

[Este artigo faz parte de uma série dedicada à biodiversidade e descoberta de novas espécies.]

Publicado por André Levy

Novas espécies de Aves (2013) Parte III

Esta é a terceira parte (ver parte I e parte II) de uma série sobre novas espécies de aves descobertas em 2013.

25. Sierra Madre Ground-Warbler Robsonius thompsoni (Locustellidae)

Sierra Madre Ground-Warbler Robsonius thompsoni

Sierra Madre Ground-Warbler Robsonius thompsoni

Esta espécie foi descoberta depois de dois anos de investigação do complexo Robsonius nas ilhas Luçon, nas Filipinas, revelaram uma estrutura geográfica com três espécies, provavelmente originárias por especiação alopátrica:  Robsonius rabori conhecida apenas do norte da cordilheira Central na ilha de Ilocos; R. sorsogonensis no sul de Luçon, nas províncias de Bualcan e Laguna; e a nova R. thompsoni no norte da Sierra Madre. O complexo é apenas conhecido no norte das Filipinas, não tendo parente próximo conhecido. São aves terrestres, que praticamente não voam. O seu canto é muito agudo e ventríloquo, isto é dificulta muito a localização da ave.

Robsonius-FilipinasDiferenças de plumagem deram uma indicação inicial de que se poderiam tratar de espécies diferentes, o que veio a ser confirmado por comparação de sequências de ADN.

26. Guerrero Brush-finch Arremon kuehnerii (Emberizidae), nas florestas nebulosas das montanhas Sierra Madre del Sul, no México ocidental.

This painting shows three Arremon brush-finches: top – Arremon brunneinucha brunneinucha, middle – the newly discovered Arremon kuehnerii; bottom – Arremon virenticeps. Image credit: Navarro-Sigüenza AG et al / the Wilson Journal of Ornithology.

Arremon brunneinucha (topo); a nova Arremon kuehnerii (meio); Arremon virenticeps (baixo). (Imagem de Navarro-Sigüenza AG et al

A nova espécie, A. kuehnerri, é quase indistinta fenotipicamente (no seu aspecto morfológico) de A. brunneinucha. Mas sequências do ADN mitocondrial indicam que o seu parente mais próximo é A. virenticeps. Assim, parece que reteve um fenótipo ancestral ao complexo.

À semelhança do Otus frutuosi, referido na parte I, as duas seguintes espécies, e últimas na lista, encontram-se extintas

27. New Caledonia Snipe, Coenocorypha neocaledonica (Scolopacidae)

Esta nova espécie, já extinta, foi descrita a partir de fósseis encontrados numa caverna na Nova Calcedónia, datados no final do Holoceno. Comparação com espécies do mesmo género indicam que terá sido o voador mais capaz, contudo extinguiu-se há cerca de mil anos, possivelmente como resultado da predação por ratazanas, que colonizaram a ilha juntamente com os humanos.

28. Bermuda Flicker, Colaptes oceanicus (Picadae)

Fósseis de pica-paus foram descobertos na ilha Bermuda, do final do Pleistocénio/Holoceno. Entre eles existiam formas mais pequenas que o C. auratus, da América do Norte, mas maiores que a subespécie C. a. gundlachi do Grande Caimão. A nova espécie, C. oceanicus, que se distingue também por alguns aspectos ósseos, terá persistido após o período colonial (séc XV), mas ter-se-á extinto posteriormente. Provavelmente faria ninhos nas palmeiras locais e em troncos em decomposição, abrigos que terão sido importantes para a evolução da pequena coruja Aegolius gradyi, e proporcionado abrigo para outros organismos.

Hosner, et al. 2013. Phylogeography of the Robsonius Ground-Warblers (Passeriformes: Locustellidae) Reveals an Undescribed Species from Northeastern Luzon, Philippines. The Condor. 115 (3) ; 630-639 DOI:  10.1525/cond.2013.120124
Navarro-Sigüenza AG et al. 2013. A new species of Brush-Finch (Arremon; Emberizidae) from western Mexico. The Wilson Journal of Ornithology 125 (3): 443-453; doi: 10.1676/12-136.1
Storrs L. Olson (2013). “Fossil woodpeckers from Bermuda with the description of a new species of Colaptes (Aves: Picidae)”. Proceedings of the Biological Society of Washington 126 (1): 17–24.
Worthy, Trevor, Anderson, Atholl, and Sand, Christophe. (2013). An extinct Austral snipe Aves: Coenocorypha from New Caledonia. Emu 113(4): 383-393.

[Este artigo faz parte de uma série dedicada à biodiversidade e descoberta de novas espécies.]

Publicado por André Levy

Saúde Pública (com humor)

Image

A verdade é esta: entre a meia-noite e as seis da manhã, até os mais esquisitos e mesquinhas com a comida se salivam com a bela gastronomia nocturna das barracas e das roulotes. Podemos ser perfeccionistas com a alimentação e caprichosos com a higiene, mas quando tarde e a más horas se trata, de nada adianta.
E porquê?
Tomei a liberdade de desenvolver uma equação com base em resultados experimentais:

p(A) + p(B) = µ

 Onde:

p(A) = probabilidade de encontrar estabelecimentos de restauração abertos durante a madrugada

p(B) = probabilidade de a malta ter ingerido elevadas quantidades de etanol

µ = qualquer baiuca serve para nos salvar da fome

Eis que certa noite, depois de algumas horas de divertimento, parei com alguns amigos numa caixa com rodas que vendia pizzas, hambúrgueres, cachorros, bifanas e afins. Havia um pequeno balcão que suportava um compartimento com alface, tomate e milho. Também havia cogumelos, e garanto-vos que estes não eram os únicos fungos presentes.

Era possível visualizar uma grande frigideira com aspecto de ter sido usada durante a Primeira Guerra Mundial e nunca mais ter sido lavada desde então, quando um velho senhor – com, no máximo, três dentes – indagou: «O que é que vai ser?»
Os pedidos foram dos mais variados, desde o hambúrguer com drosófila, ao cachorro com ácido desoxirribonucleico de roedor, e até havia o Menu Salmonela.

Fomos para casa satisfeitos, sem a noção do corajoso acto, que consistiu em colocar o nosso sistema imunitário à prova. No dia seguinte, restou-me agradecer por ter a vacina do tétano em dia.

Publicado por Pedro Lindo

Extinções de espécies em 2013

Esta rubrica tem assinalado novas espécies para a ciência, geralmente fruto de vários anos de investigação. Muitas haverão ainda por descrever. Infelizmente, muitas espécies conhecidas estão a extinguir-se. A extinção é um processo natural; a grande maioria das espécies que habitaram o nosso planeta ao longo da sua história já se extinguiram (~95%). Mas muitas das actuais extinções são causadas por actividade humana, e a dimensão das actuais taxas de extinção é equivalente à das grandes extinções em massa.

Uma espécie em extinção é por definição rara, e a confirmação da sua extinção, da sua não existência, não é fácil. Algumas espécies que se julgavam extintas foram depois re-descobertas (embora o seu estatuto continue em geral ameaçado). Estas são designadas espécies Lazarus (ver exemplos). Por outros lado, no post inicial desta rubrica, já referimos como entre a amostragem de espécimenes e a identificação e descrição das novas espécies podem decorrer décadas, e que em alguns casos, ao regressar ao local de amostragem, verificou-se que a nova espécie já não se encontrava na natureza. Até declarar a espécie extinta, há que a procurar activamente durante algum tempo. Esta declaração é mais segura em espécies que são monitorizadas de perto. Datar e compreender as causas de extinção é importante para melhor evitarmos futuras extinções.

Em 2013, a subespécie do leopardo nebuloso da Formosa (endémica de Taiwan), Neofelis nebulosa brachyura, foi declarada extinta após 13 anos de investigação, usando 1500 câmaras infra-vermelhas, armadilhas de pêlo e incontáveis horas de trabalho de campo. Esta sub-espécie ter-se-á extinto resultado da caça para obtenção das suas peles. Os últimos espécimenes terão sido observado nos anos 1980. A espécie Neofelis nebulosa, existe ainda nos Himalaias, com estatuto de vulnerável a extinção.

Neofelis nebulosa brachyura

Neofelis nebulosa brachyura

O Lagarto Gigante de Cabo Verde (Chioninia coctei) foi declarado extinto em 2013. Esta espécie endémica de Cabo Verde não era vista desde 1912, mas pensa-se ter encontrado restos parciais de um juvenile nas fezes de de um gato na ilha de Santa Luzia, em 2005. Esforços de amostragem em 2006 não lograram encontrar qualquer espécimen. Desde então a população de gato domestico tem aumentado substancialmente e, juntamente com a pressão de ratazanas e cães domésticos, pensa-se que o lagarto terá sido eliminado.

Chioninia coctei

Chioninia coctei

A enguia espinhosa do Sri Lanka (Macrognathus pentophthalmos) comum em 1980, ter-se-á extinto resultado da predação por peixes introduzidos por humanos. O Cyprinodon arcuatus do Arizona, peixe de zonas húmidas, terá desaparecido fruto da gestão das zonas aquáticas que secou muitas das lagoas que habitava e da introdução de um robalo predador. O peixe gato Noturus trautmani, natural do estado de Ohio, foi visto pela última vez em 1957 e ter-se-á extinto devido á degradação da qualidade da água fruto de descargas poluentes.

O Maçarico esquimó (Numenius borealis), ave costeira da tundra do Canada e Alasca, também foi outrora abundante, mas a sobrecaça fez dela uma espécie rara, tendo o último espécimen sido observado em 1963. O Canadá vai declarar a espécie extinta. O ano passado, numa conferência em Ottawa, a Birdlife Internacional alertou que uma em cada 8 espécies de aves (cerca de 1,300 ‘espécies’) estão em riscos de extinção e que 200 espécies estão à beira de extinção.

Numenius borealis

Numenius borealis

O Sapo Darwin do Norte (Rhinoderma rufum), endémico do Chile, foi reconhecido como espécie distinta em 1975. O último espécimen foi visto em 1980. Em 1982, esforços de amostragem intensos não lograram descobrir esta espécie, mas hesitou-se em declarar extinção até 2013. É possível que a espécie ainda persista, mas os anfíbios em geral estão a sofrer uma tendência preocupante de declínio e extinção. Cerca de um terço das espécies (1856) estão ameaçadas, e cerca de 170 espécies ter-se-ão extinto nas últimas décadas

Este post baseou-se na compilação feita no blog Living Alongside Wildlife.
[Este artigo faz parte de uma série dedicada à biodiversidade e descoberta de novas espécies.]
Publicado por André Levy

Novas espécies de Aves (2013) Parte II

Esta segunda (de 3) parte dedicada às novas espécies de aves descobertas em 2013 (ver parte I) será exclusivamente sobre a extraordinária descrição de 15 novas espécies da Amazónia, 11 das quais endémicas do Brasil (ver comunicado). Trata-se do maior número de espécies Brasileiras descritas de uma só vez desde 1871. A maior parte das espécies foram descobertas por diferenças nos cantos identificados no campo. As espécies estão descritas no último (e 17º) volume da série «Handbook of the Birds of the World» (HBW). O feito é resultado de anos de trabalho, de mais de 30 investigadores, e da colaboração entre 4 institutos: Museu Zoológico da Universidade de São Paulo (MZ-USP); o Instituto Nacional para Pesquisa da Amazónia (Inpa) em Manaus; e o Museu Emílio Goeldi do Pará (MPEG), em Belém; e o Louisiana State University Museum of Natural Science (LSUMNS) nos EUA. A Amazónia tem cerca de 1,300 espécies de aves, a maior densidade de espécies por área do mundo. O Brasil tem cerca de 1,840 espécies,  o segundo país mais rico em avifauna, depois da Colômbia com cerca de 1,900. Mas muitas espécies encontram-se por descobrir, algumas delas ainda em museus.

Localização geográfica das novas espécies

Localização geográfica das novas espécies

10. Western Striolated, Nystalus obamai Whitney et al. 2013  (Bucconidae) em honra de Barack Obama, em particular seus esforços na promoção da energia solar. Oiçam o canto.

nystalus_obamai (Foto de Vitor Piacentini)

Nystalus obamai (Foto de Vitor Piacentini)

As restantes espécies são todas da ordem Passeriformes.

11. Xingu Woodcreeper, Dendrocolaptes retentus Batista et al. 2013 (Furnariidae) [Foto não disponível]

12. Inambari Woodcreeper, Lepidocolaptes fatimalimae Rodrigues, Aleixo, Whittaker et Naka, 2013 (Furnariidae)

Lepidocolaptes fatimalimae (foto de Andrew Whittaker)

Lepidocolaptes fatimalimae (Foto de Andrew Whittaker)

13. Tupana Scythebill (arapaçu-de-bico-torto), Campylorhamphus gyldenstolpei Aleixo et al., 2013 (Furnariidae)

Campylorhamphus gyldenstolpei (Foto de Vitor Piacentini)

Campylorhamphus gyldenstolpei (Foto de Vitor Piacentini)

14. Tapajós Scythebill, Campylorhamphus cardosoi Portes et al., 2013 (Furnariidae) [Foto não disponível]

15. Roosevelt Stipple-throated Antwren (chorozinho), Epinecrophylla dentei Whitney et al., 2013 (Thamnophilidae). Vejam video.

Epinecrophylla dentei (Foto de Fabio Schunck)

Epinecrophylla dentei (Foto de Fabio Schunck)

16. Bamboo Antwren Myrmotherula oreni Miranda et al., 2013  (Thamnophilidae). Oiçam canto.

Myrmotherula oreni (Foto de Lars Petersson)

Myrmotherula oreni (Foto de Lars Petersson)

17. Predicted Antwren Herpsilochmus praedictus Cohn-Haft et Bravo, 2013 (Thamnophilidae)

Herpsilochmus praedictus (de video de Bret M. Whitney)

Herpsilochmus praedictus (de video de Bret M. Whitney)

18. Aripuana Antwren Herpsilochmus stotzi Whitney, Cohn-Haft, Bravo, Schunck et Silveira, 2013 (Thamnophilidae). Oiçam canto. Esta espécie e a anterior do mesmo género, H. praedictus, são morfologicamente quase idênticas, mas suas vocalizações são distintas. Vivem em lados opostos do rio Madeira, que terá dividido a população do ancestral há cerca de 2 milhões de anos.

Herpsilochmus stotzi (Foto de Fabio Schunck)

Herpsilochmus stotzi (Foto de Fabio Schunck)

19. Manicore Warbling-Antbird Hypocnemis rondoni Whitney et al., 2013  (Thamnophilidae)

Hypocnemis rondoni (imagem de video de Bret M. Whitney)

Hypocnemis rondoni (imagem de video de Bret M. Whitney)

20. Chico’s Tyrannulet Zimmerius chicomendesi Whitney, Schunck, Rêgo et Silveira, 2013 (Tyrannidae), em honra de Chico Mendes, o seringueiro e activista Brasileiro. Vejam video e oiçam canto.

Zimmerius chicomendesi (Foto de Fabio Schunck)

Zimmerius chicomendesi (Foto de Fabio Schunck)

21. Acre Tody-Tyrant Hemitriccus cohnhafti Zimmer, Whittaker, Sardelli, Guilherme et Aleixo, 2013 (Tyrannidae)

Hemitriccus cohnhafti (Foto de Andrew Whittaker)

Hemitriccus cohnhafti (Foto de Andrew Whittaker)

22. Sucunduri Yellow-margined Flycatcher Tolmomyias sucunduri Whitney, Schunck, Rêgo et Silveira, 2013 ( Tyrannidae). Oiçam canto.

Tolmomyias sucunduri (Foto de Fabio Schunck)

Tolmomyias sucunduri (Foto de Fabio Schunck)

23. Inambari Gnatcatcher Polioptila attenboroughi Whittaker, Aleixo, Whitney, Smith et Klicka, 2013 (Polioptilidae), em honra a David Attenborough. Oiçam canto.

Polioptila attenboroughi (imagem de video de Bret Whitney)

Polioptila attenboroughi (imagem de video de Bret Whitney)

24. Campina Jay (cancão-da-campina) Cyanocorax hafferi Cohn-Haft, Santos Junior, Fernandes et Ribas, 2013 (Corvidae). A maior das 15 aves, com cerca de 35 cm de comprimento. Viva apenas nas pradarias naturais entre os rios Madeira e Purus, habitat ameaçado pela proximidade da auto-estrada BR-319, que liga a capital do estado do Amazonas à cidade de porto Velho.

Cyanocorax hafferi (Foto de Luciano Moreira Lima)

Cyanocorax hafferi (Foto de Luciano Moreira Lima)

Handbook of the Birds of the World. Special Volume: New Species and Global Index (published 20 June 2013).

[Este artigo faz parte de uma série dedicada à biodiversidade e descoberta de novas espécies.]

Publicado por André Levy