Category Archives: Ciência com Humor

Entrevista (com humor)

ImageFicar sem financiamento para a ciência tem graves consequências. Entrevistámos um professor universitário que trabalha em investigação, mas que, devido aos cortes do Governo, ficou sem condições para poder trabalhar. 

 

 

– Boa tarde, professor.
– Boa tarde.
– Antes de mais, obrigado por ter aceitado o convite e nos conceder esta entrevista.
– Ora essa.
– Gostaria de começar por lhe pedir que explicasse para as pessoas lá em casa em que consiste o seu trabalho.
– Com certeza. O meu trabalho consiste em desenvolver moléculas capazes de criar partículas que estão envolvidas na resposta inflamatória.
– Podia ser mais específico, professor?
– Não só podia, como irei sê-lo.
– Óptimo.
– O senhor já teve alguma vez a garganta inflamada?
– Claro que sim.
– Tomou alguma coisa?
– Na maior parte das vezes, não.
– E na menor parte das vezes?
– Tomei anti-inflamatório.
– Ai foi?
– Foi.
– Pois digo-lhe o seguinte. Os anti-inflamatórios que estão aí no mercado são uma autêntica porcaria.
– Porquê?
– Só fazem mal. Você sabia que pode ter uma úlcera no estômago se tomar Brufen? Mas não se preocupe agora com isso. O que eu faço, respondendo à sua pergunta, é pesquisa científica no âmbito de desenvolver um medicamento realmente indicado para combater as inflamações.
– E como estão a correr as coisas?
– Desde que o Governo resolveu fazer estes cortes todos na investigação, não muito bem.
– Tem financiamento para poder ter o material necessário e fazer os devidos ensaios no seu laboratório?
– Na verdade, não.
– E tem financiamento para poder ter uma equipa de investigadores a trabalhar consigo?
– Também não.
– Quer isto dizer que está neste momento a trabalhar com dificuldades?
– Sim, admito que não está a ser fácil. Para você ter uma ideia, a câmara de fluxo laminar avariou no outro dia, e desde então quando quero trabalhar em condições de assepsia, acendo um cigarro ao canto da boca e espero que o fumo afaste as possíveis contaminações das minhas culturas celulares.
– Os microbiólogos costumam trabalhar à chama….
– À chama?! Você já viu o perigo que isso é?!
– Pois… realmente…. Mas pode falar um pouco mais sobre a sua pesquisa?
– O que pretende saber ao certo?
– Quais são as substâncias que o professor está a testar na resposta inflamatória?- Pinnae pullum.
– Nunca ouvi falar. Consegue explicar o que é?
– Ora bem, basicamente é, digamos, pena de galinha.
– Pena de galinha?!
– Sim.
– O facto de usar pena de galinha nas suas pesquisas é uma decisão que tem a ver com os cortes do Governo?
– Não. Na verdade foi uma opção minha. Mas atenção, não pense que é uma pena de galinha qualquer.
– Então?
– É uma pena de galinha que é diluída em água sucessivas vezes.
– Como é que se dilui pena de galinha em água?
– Também não vai querer que eu lhe conte tudo, pois não?
– Sabe, é que sou levado a crer que o professor faz investigação em homeopatia.

(pequena pausa de estupefacção de ambas as partes) 

– Homeopatia?! Você é doido?! Acha que eu ando aqui a nadar em dinheiro? Você sabe a quantidade de água que é preciso ter para fazer investigação em homeopatia? Oiça o seguinte. Nós no laboratório não temos dinheiro para extravagâncias. Pura e simplesmente não temos. Eu apenas estou autorizado a gastar 800 litros de água por dia. Como acha que podia fazer investigação em homeopatia?
– Mas mesmo em condições precárias, consegue ter resultados com a sua pesquisa científica?
– Consigo. Mas não com a pena de galinha na resposta inflamatória. Devido à escassez de fundos, ficámos sem os ratinhos de laboratório. Agora as únicas cobaias a que tenho direito são dois gatos abandonados por semana. Não ajuda lá muito nos ensaios.
– Pois. Então tem tido resultados em quê?
– Astrologia.
– Astrologia?!
– Astrologia. E estou a descobrir coisas fascinantes.
– Quer partilhar connosco, professor?
– Com certeza. Por exemplo, as pessoas que nasceram em Maio têm que ter em conta que as mudanças nem sempre são fáceis, especialmente quando nos habituamos a algo ou alguém. No entanto são por vezes necessárias, para que haja renovação.
– …..
– Não acredita, é?
– Não digo que não acredito, mas é um pouco vago. Não nos quer dar outro exemplo?
– Com certeza. Quem nasceu em Novembro, esta semana pode receber uma informação importante, ou um sinal, e sentirá a energia do movimento a voltar à sua vida.
– Pois…
– O senhor nasceu em que mês?
– Agosto.
– Então posso-lhe dizer que deve confiar na sua sabedoria interior, assim como ouvir os outros, para poder atingir o equilíbrio.
– Obrigado pelo conselho, professor. Além das penas de galinha na resposta inflamatória e da Astrologia, existe mais algum projecto em que esteja envolvido?
– Por enquanto, não. Mas posso-lhe dizer que se o Governo continuar com estes cortes, vou ponderar entrar para a política. Irónico, não é? Mas digo-lhe o seguinte: eu é que ainda vou fazer a diferença. Quer que lhe conte das minhas ideias para dinamizar o nosso país? Sabe, é que eu tenho um primo que é Secretário de Estado e…
– Obrigado, professor, mas estamos sem tempo. Temos que ficar por aqui.
– Se você o diz…
– Obrigado pela entrevista, e até a uma próxima.
– Ora essa. Eu é que agradeço.

Publicado por Pedro Lino

Anúncios

Tecnologia (com humor)

12

 

 

O nosso dia-a-dia está repleto de ciência e tecnologia. Cientistas, professores e engenheiros dedicam horas, dias, meses, anos das suas vidas em prol do desenvolvimento e investigação.

São desenvolvidos smartphones, tablets e computadores. Linguagens de programação impulsionam aplicações que permitem fazer de tudo um pouco, para todos os gostos, necessidades e feitios.

Transportamos aparelhos nos nossos bolsos que contêm internet, GPS, bússola digital, câmara de fotografia e vídeo HD, televisão móvel, rádio e ficheiros de múltiplos formatos.

Tudo isto para depois o comum dos mortais resumir toda a tecnologia numa simples frase:

“Consigo apanhar dois tracinhos de rede e tenho um pauzinho de bateria.”

Publicado por Pedro Lino

Querido pai, queridas mães, então que tal? (com humor)

Image

Cada vez se ouve mais em legalizar a técnica de procriação assistida que consiste na substituição das mitocôndrias. Trata-se de uma técnica engraçada e, ao que parece, eficaz. Apenas tem um pequeníssimo detalhe, praticamente despercebido, insignificante. Que é o seguinte:
A criança que nascer irá ter três progenitores.

Mas porquê substituir as mitocôndrias?
O DNA presente nas mitocôndrias é transmitido apenas pela mãe, e pode sofrer mutações que originam graves doenças. Assim, para evitar males maiores, o rebento de uma mulher que recorra à substituição das mitocôndrias irá ter:

– Metade dos cromossomas do pai.
– Metade dos cromossomas da mãe.
– DNA mitocondrial de uma mulher desconhecida, porém caridosa, que decidiu emprestar as suas baterias celulares que estavam em bom estado.

Na minha humilde opinião, a grande questão aqui nem é ter 3 pais, mas sim 6 avós. Já para não falar do número de tios e tias. O que é que isto significa? Ainda mais pares de meias brancas com o símbolo das raquetes de ténis na altura do Natal.

E no meio de tantas controvérsias, não acredito que em Portugal esta técnica tenha pernas para andar. A não ser que haja um sorteio de mitocôndrias com base nas facturas que pedimos com o número de contribuinte.

Publicado por Pedro Lino

Água mole em pedra dura… (com humor)

Image

Quando vejo alguém a olhar constantemente para o céu fico sempre na dúvida. Nunca sei se se trata de uma pessoa religiosa, ou se é um astrofísico.
Por outro lado, consigo distinguir perfeitamente um matemático de um psicólogo na sala de espera de um consultório médico. O matemático é aquele que joga sudoku na última página de uma revista, enquanto o psicólogo é aquele que olha fixamente para nós.

Um informático e um biólogo também não é difícil de distinguir, caso estejam ambos numa sala e faltar a luz. O biólogo abre as janelas para usufruir de luz natural, enquanto o informático sai da sala e volta a entrar.

Igualmente simples é verificar num casal com filhos se algum dos progenitores é engenheiro. Basta o filho pedir ajuda aos pais para montar os legos, e um deles recorrer ao AutoCAD.

Já no outro dia descobri que estava perante um cientista que gostava de ter ido para letras. Comecei a desconfiar quando o ouvi referir o conhecido ditado: «Substância inorgânica em estado líquido de propriedade flácida em contacto com fragmento de agregado sólido que compreende elevada resistência a deformações, fustiga amiúde ao ponto de transfixar o referido elemento petrológico».

Publicado por Pedro Lino

A Culpa é da Genética (com humor)

9

Sempre achei a genética fascinante. Não raras vezes ouvimos as pessoas comentarem: «Não sei a quem é que a criança sai. O pai é moreno, a mãe é morena, e o puto é loiro».
Enquanto as mentes mais maliciosas pensam em qual será a cor do cabelo do carteiro ou do canalizador, Mendel há muito que desvendou o mistério. Trata-se de um fenómeno de heterozigotia, o que significa que os pais possuem alelos diferentes do mesmo gene. Em outras ocasiões também pode ser devido a um processo biológico conhecido como adopção.

Seja como for, a genética tem sempre a culpa. Recentemente, um grupo de investigadores descobriu que existe um gene (com o simpático nome de RASGRF-2) que é responsável pelo alcoolismo. Curiosamente também foi descoberto um factor genético que é responsável pela sensação de bem-estar no momento em que se ingere cerveja e se assiste a um jogo de futebol – chama-se cromossoma Y.

A genética tem-nos surpreendido muito. Vários estudos têm apontado para o facto de os humanos se terem cruzado com o Homem de Neandertal. O que não é difícil de imaginar, se tivermos em conta a mesma linha de raciocínio para o José Castelo Branco e a Betty.

Não menos curioso são alguns estudos que afirmam que os humanos herdaram genes do tabagismo e da diabetes dos neandertais. Aqui já é suspeito, pois nós, humanos, gostamos muito de deitar as culpas nos outros. Todavia, acredito que os genes responsáveis por deitar as culpas nos outros também possam ter sido herdados dos neandertais.

Importantíssimo ainda é a aplicação da genética no campo da saúde. Há pouco tempo foram descobertos onze genes que estão envolvidos na doença de Alzheimer. No entanto, não me lembro do nome de nenhum deles…

Publicado por Pedro Lino

Ciência em Portugal (sem humor)

ImageRecentemente foram revelados os números que traduzem uma quebra acentuada na atribuição das bolsas de doutoramento no nosso país. Desconfio que, por outro lado, o número de vagas para as jotas do PSD aumentou.
E não é de admirar. Quem é que, nos dias que correm, quer tirar um doutoramento, se pode ter um tacho na autarquia onde o primo-afastado-mas-que-ainda-assim-é-da-família trabalha?

Abaixo a ciência, não precisamos dela. Fechem todos os laboratórios, são supérfluos. Acabem com as universidades, só dão prejuízo. Aplicações e patentes? São inúteis. Eu tenho algumas ideias que penso serem melhores. Ei-las:

– Criar a BV (Bolsa de Vereador), com duração de 4 anos, podendo ser renovável por mais 4. O valor da bolsa corresponde a 1950€ + vales de refeição, que são 6 por dia.

– Inaugurar a FABPN (Fundação Ajudem o Banco Português de Negócios), que se dedica à angariação de fundos para injectar na respectiva identidade bancária.

– Criar o FMIPPAJJ (Fundo Monetário Ilimitado Para as Políticas do Alberto João Jardim), com o objectivo de apoiar a dívida da Região Autónoma da Madeira, assim como o fogo-de-artifício utilizado no Réveillon.

Estas são apenas algumas sugestões. Penso que são políticas como estas que devem andar para a frente, e não questões desnecessárias como «De onde nascem as ideias, a investigação e o desenvolvimento?». Se por acaso surgir algum novo vírus que seja uma ameaça para a saúde humana, aplicamos-lhes um submarino e um estádio de futebol, que fica o problema resolvido.

Publicado por Pedro Lino

Saúde Pública (com humor)

Image

A verdade é esta: entre a meia-noite e as seis da manhã, até os mais esquisitos e mesquinhas com a comida se salivam com a bela gastronomia nocturna das barracas e das roulotes. Podemos ser perfeccionistas com a alimentação e caprichosos com a higiene, mas quando tarde e a más horas se trata, de nada adianta.
E porquê?
Tomei a liberdade de desenvolver uma equação com base em resultados experimentais:

p(A) + p(B) = µ

 Onde:

p(A) = probabilidade de encontrar estabelecimentos de restauração abertos durante a madrugada

p(B) = probabilidade de a malta ter ingerido elevadas quantidades de etanol

µ = qualquer baiuca serve para nos salvar da fome

Eis que certa noite, depois de algumas horas de divertimento, parei com alguns amigos numa caixa com rodas que vendia pizzas, hambúrgueres, cachorros, bifanas e afins. Havia um pequeno balcão que suportava um compartimento com alface, tomate e milho. Também havia cogumelos, e garanto-vos que estes não eram os únicos fungos presentes.

Era possível visualizar uma grande frigideira com aspecto de ter sido usada durante a Primeira Guerra Mundial e nunca mais ter sido lavada desde então, quando um velho senhor – com, no máximo, três dentes – indagou: «O que é que vai ser?»
Os pedidos foram dos mais variados, desde o hambúrguer com drosófila, ao cachorro com ácido desoxirribonucleico de roedor, e até havia o Menu Salmonela.

Fomos para casa satisfeitos, sem a noção do corajoso acto, que consistiu em colocar o nosso sistema imunitário à prova. No dia seguinte, restou-me agradecer por ter a vacina do tétano em dia.

Publicado por Pedro Lindo