Extinções de espécies em 2013

Esta rubrica tem assinalado novas espécies para a ciência, geralmente fruto de vários anos de investigação. Muitas haverão ainda por descrever. Infelizmente, muitas espécies conhecidas estão a extinguir-se. A extinção é um processo natural; a grande maioria das espécies que habitaram o nosso planeta ao longo da sua história já se extinguiram (~95%). Mas muitas das actuais extinções são causadas por actividade humana, e a dimensão das actuais taxas de extinção é equivalente à das grandes extinções em massa.

Uma espécie em extinção é por definição rara, e a confirmação da sua extinção, da sua não existência, não é fácil. Algumas espécies que se julgavam extintas foram depois re-descobertas (embora o seu estatuto continue em geral ameaçado). Estas são designadas espécies Lazarus (ver exemplos). Por outros lado, no post inicial desta rubrica, já referimos como entre a amostragem de espécimenes e a identificação e descrição das novas espécies podem decorrer décadas, e que em alguns casos, ao regressar ao local de amostragem, verificou-se que a nova espécie já não se encontrava na natureza. Até declarar a espécie extinta, há que a procurar activamente durante algum tempo. Esta declaração é mais segura em espécies que são monitorizadas de perto. Datar e compreender as causas de extinção é importante para melhor evitarmos futuras extinções.

Em 2013, a subespécie do leopardo nebuloso da Formosa (endémica de Taiwan), Neofelis nebulosa brachyura, foi declarada extinta após 13 anos de investigação, usando 1500 câmaras infra-vermelhas, armadilhas de pêlo e incontáveis horas de trabalho de campo. Esta sub-espécie ter-se-á extinto resultado da caça para obtenção das suas peles. Os últimos espécimenes terão sido observado nos anos 1980. A espécie Neofelis nebulosa, existe ainda nos Himalaias, com estatuto de vulnerável a extinção.

Neofelis nebulosa brachyura

Neofelis nebulosa brachyura

O Lagarto Gigante de Cabo Verde (Chioninia coctei) foi declarado extinto em 2013. Esta espécie endémica de Cabo Verde não era vista desde 1912, mas pensa-se ter encontrado restos parciais de um juvenile nas fezes de de um gato na ilha de Santa Luzia, em 2005. Esforços de amostragem em 2006 não lograram encontrar qualquer espécimen. Desde então a população de gato domestico tem aumentado substancialmente e, juntamente com a pressão de ratazanas e cães domésticos, pensa-se que o lagarto terá sido eliminado.

Chioninia coctei

Chioninia coctei

A enguia espinhosa do Sri Lanka (Macrognathus pentophthalmos) comum em 1980, ter-se-á extinto resultado da predação por peixes introduzidos por humanos. O Cyprinodon arcuatus do Arizona, peixe de zonas húmidas, terá desaparecido fruto da gestão das zonas aquáticas que secou muitas das lagoas que habitava e da introdução de um robalo predador. O peixe gato Noturus trautmani, natural do estado de Ohio, foi visto pela última vez em 1957 e ter-se-á extinto devido á degradação da qualidade da água fruto de descargas poluentes.

O Maçarico esquimó (Numenius borealis), ave costeira da tundra do Canada e Alasca, também foi outrora abundante, mas a sobrecaça fez dela uma espécie rara, tendo o último espécimen sido observado em 1963. O Canadá vai declarar a espécie extinta. O ano passado, numa conferência em Ottawa, a Birdlife Internacional alertou que uma em cada 8 espécies de aves (cerca de 1,300 ‘espécies’) estão em riscos de extinção e que 200 espécies estão à beira de extinção.

Numenius borealis

Numenius borealis

O Sapo Darwin do Norte (Rhinoderma rufum), endémico do Chile, foi reconhecido como espécie distinta em 1975. O último espécimen foi visto em 1980. Em 1982, esforços de amostragem intensos não lograram descobrir esta espécie, mas hesitou-se em declarar extinção até 2013. É possível que a espécie ainda persista, mas os anfíbios em geral estão a sofrer uma tendência preocupante de declínio e extinção. Cerca de um terço das espécies (1856) estão ameaçadas, e cerca de 170 espécies ter-se-ão extinto nas últimas décadas

Este post baseou-se na compilação feita no blog Living Alongside Wildlife.
[Este artigo faz parte de uma série dedicada à biodiversidade e descoberta de novas espécies.]
Publicado por André Levy

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s