Nova espécie de Paraave

Modelo do Eosipnopteryx brevipenna

Modelo do Eosipnopteryx brevipenna

Esta semana foi publicado na Nature Communications um artigo descrevendo uma nova espécie de  dinossauro terópode com penas, ou seja uma ave primitiva, ou uma espécie de transição entre os outros terópodes e as aves modernas. O espécime desta particular transição evolutiva mais conhecido é o Archaeopteryx, primeiro descoberto em 1861. Datado do final do Jurássico, cerca de 150 milhões de anos, o espécime (e a espécie) ganharam merecida fama devido à sua importância como evidência de transição entre formas e por ter sido descoberto num momento significativo,  apenas dois anos após a publicação de “A Origem das Espécies”.

Desde então foram descobertos mais de 142 géneros de dinossauros terópodes emplumado. A nova descoberta, Eosipnopteryx brevipenna, foi descoberta na província de Liaoning, na China. As penas do Eosinopteryx são menos abundantes nos membros e cauda que noutras espécies encontradas da mesma época, como o género próximo Anchiornis. Com plumagem reduzida e garras pedais curtas, o Eosinopteryx seria capaz de correr sem impedimentos, mas é duvidável que tenha voado. 

Fóssil de Eosipnopteryx brevipenna

Fóssil de Eosipnopteryx brevipenna

Vários e diversificados espécimenes deste grupo já haviam sido encontrados nesta região, em camadas do início do Cretácico. Este espécimen porém foi encontrado numa camada do meio-final do Jurássico, sendo portanto mais antigo que o Archaeopteryx. Juntamente com os restantes fósseis deste grupo encontrados na região, releva que já no meio-final do Jurássico este grupo era bastante diverso podendo ocupar diferentes nichos.

Filogenia das Paraves

Filogenia das Paraves

Infelizmente, um certo jornalismo científico que dá precedência a títulos bombásticos, anunciou que esta descoberta «desafia origem das Aves» (DN). Na verdade, a ideia de que as aves se originaram a partir de dinossauro terópode emplumados não é posta em causa, pelo contrário, vem ilustrada com mais uma evidência. A teoria da evolução das aves, contrariamente ao reportado em algumas notícias, não é dependente do primado do Archaeopteryx. Como já referido, e ilustrado no gráfico acima, o Eosipnopteryx brevipenna vem demonstrar, junto com outros espécimenes que esta evolução será mais antiga do que o Archaeopteryx fez assumir. Mas tal não se trata de um “desafio” ou “destronar” da ideia fundamental da origem das aves. Ficamos sim com uma ideia mais completa da diversidade das formas de transição e uma ideia mais precisa da sua idade. Dada a incompletude do registo fóssil é natural que à medida que se encontrem mais fósseis sejam descobertas formas mais antigas. Surpreendente e um efectivo desafio à origem das aves seria se fosse descoberto uma ave moderna no meio do Jurássico.

Godefroit et al. 2013. Reduced plumage and flight ability of a new Jurassic paravian theropod from China. Nature Communications 4, Article number: 1394 doi:10.1038/ncomms2389
[Este artigo faz parte de uma série dedicada à biodiversidade e descoberta de novas espécies.]
Publicado por André Levy

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s