14 novas espécies de escaravelho: radiação adaptativa

No artigo anterior referiu-se o processo de especiação alopátrica através da vicariância (surgimento de uma barreira e separação em diferentes populações de um espécie ancestral de distribuição contígua). Uma outra forma de especiação alopátrica é a dispersão de uma população para uma nova localidade, onde permanece isolada da população original e diverge até formar uma nova espécie. Se as espécies se adaptam ao novos locais, i.e., se se adaptam por selecção natural, fala-se em radiação adaptativa. Arquipélagos são particularmente atreitos a este tipo de especiação, e por esta razão constituem frequentemente centros de biodiversidade (e.g., o arquipélago do Hawaii).

Monte Tohiea, na ilha Moorea (ilhas da Sociedade) onde foram descobertas 14 espécies novas do escaravelho Mecyclothorax

Monte Tohiea, na ilha Moorea (ilhas da Sociedade) onde foram descobertas 14 espécies novas do escaravelho Mecyclothorax

Os escaravelhos do género Mecyclothorax têm sido estudados intensamente por James Liebherr, professor e curador da colecção de insectos na Universidade de Cornell, nos EUA, sendo responsável pela descoberta de cerca de metade das 400 espécies do género. O género originou-se na região australiana, mas só são conhecidas 25 espécies na Austrália, e 40 espécie nas ilhas vizinhas da Nova Zelândia e Java. Mas 239 espécies foram descobertas no arquipélago do Hawaii e cerca de 100 nas ilhas Sociedade (cuja ilha principal é o Taiti).

Enquanto a espécie mais abundante da Austrália pode voar, as espécies descobertas no Hawaii e ilhas Sociedade não voam. Provavelmente um ancestral voador colonizou as várias ilhas e, em isolamento, perderam a capacidade de voo. O sistema de ilhas e sua distância da zona Australiana por si só já constituem condições que favorecem a especiação alopátrica. Acresce que as espécies das ilhas, que não voam e têm apenas 3-7 mm de comprimento, ficam facilmente isoladas devido ao facto das ilhas serem vulcanicamente activas.  As correntes de lava criam kipukas, pequenas zonas de terreno rodeado por zonas desérticas de lava. Tal cria outro factor favorecendo a especiação alopátrica, havendo assim condições para a radiação adaptativa destes carabídeos.

M. perraulti (esquerda), que se encontra no pico da ilha Moorea (ilhas Sociedade) e M. pahere encontrada a altitudes mais baixas.

M. perraulti (esquerda), que se encontra no pico da ilha Moorea (ilhas Sociedade) e M. pahere encontrada a altitudes mais baixas.

Ver a revista da Universidade de Cornell ou num dos artigos originais:

James Liebherr. 2012. The first precinctive Carabidae from Moorea, Society Islands: new Mecyclothorax spp. (Coleoptera) from the summit of Mont Tohiea. ZooKeys 224 : 37-80.
[Este artigo faz parte de uma série dedicada à biodiversidade e descoberta de novas espécies.]
Publicado por André Levy

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s