DocLisboa 2012: Do Rio Ave até à central nuclear de Fukushima Daiichi

Imagem de “Sofia’s Last Ambulance “, de Ilian Metev (2012).

O Festival de documentário nacional e internacional DocLisboa celebra este ano a sua primeira década, entre 18 e 28 de Outubro, em várias salas de cinema lisboetas. A celebração faz-se com 186 filmes de 38 países, incluindo 68 obras portuguesas. Mais números: dezanove estreias mundiais, três estreias internacionais, catorze primeiras obras e duas ante-estreias.

Como já temos feito em edições anteriores, destacamos aqui alguns filmes a exibir que, de algum modo, reflictam ou abordem questões relacionadas com a ciência. O roteiro é simbólico e pode e deve ser comentado, debatido e complementado pelos nossos leitores*.

Babylon

Youssef Chebbi, Ismaël, Ala Eddine Slim | 119′ / Tunísia / 2012
Competição Internacional – Longas
REVELAÇÃO
Pessoas chegam a um território virgem numa zona selvagem. Rapidamente, constrói-se uma cidade do nada. Habitada por várias nacionalidades, as pessoas que aí vivem falam línguas diferentes. Esta nova Babilónia, rodeada de árvores e animais, ganha rapidamente a forma de uma cidade ao mesmo tempo banal e extraordinária.
25 OUT. 21:15 – Londres – Sala 2
26 OUT. 16:15 – Londres – Sala 1

Age is…

Stephen Dwoskin | 73′ / França, Reino Unido / 2012
Riscos (em memória de Chris Marker, Marcel Hanoun e Stephen Dowskin)
Uma meditação sobre a experiência subjectiva e os conceitos culturais de envelhecer. Uma ode à textura, beleza e singularidade de rostos e silhuetas em envelhecimento, um poema hipnótico feito de observações longas de detalhes minúsculos. Um gesto, uma pausa, um olhar, um momento. A intimidade foi sempre o mais importante nos seus filmes.
18 OUT. 21:15 – Londres – Sala 2
22 OUT. 16:15 – Londres – Sala 2

Poslednata Lineika na Sofia / Sofia’s Last Ambulance
Ilian Metev | 75′ / Bulgária, Croácia, Alemanha / 2012
Competição Internacional – Longas
REVELAÇÃO
Numa cidade onde treze ambulâncias se esforçam por servir dois milhões de pessoas, Krassi, Mila e Plamen são os nossos heróis improváveis, cheios de humor e salvando vidas contra todas as probabilidades. Ainda assim, a pressão de um sistema colapsado faz estragos. Por quanto tempo conseguirão tratar os feridos da sociedade até perderem empatia?
24 OUT. 21:45 – Londres – Sala 1
26 OUT. 19:15 – Londres – Sala 1

Não me importava de morrer se houvesse Guitarras no Céu / I wouldn’t mind dying if there were Guitars in Heaven

Tiago Pereira | 52′ / Portugal / 2012
Heart Beat
ESTREIA MUNDIAL
A Chamarrita é um baile mandado, em roda, que surgiu nos Açores há muitos anos. Um grupo de tocadores de viola da terra, bandolim, violão e rabeca (e por vezes “cantadores”) imprime a energia rítmica necessária ao avanço da dança. Há um “mandador” que vai coordenando os vários pares. Este bailho está especialmente vivo nas ilhas do Faial e do Pico.
22 OUT. 21:30 – São Jorge – Sala Manoel de Oliveira
25 OUT. 16:45 – Londres – Sala 1

The Radiant

The Otolith Group | 64′ / Reino Unido / 2012
Competição Internacional – Longas
The Radiant explora o rescaldo de 11 de Março de 2011, quando o terramoto Tohoku atingiu a costa nordeste do Japão às 14:46, despoletando um tsunami que matou dezenas de milhares de pessoas e causando um acidente nuclear na central de Fukushima Daiichi. O filme invoca a promessa histórica de energia nuclear e convoca a ameaça futura de radiação.
20 OUT. 19:00 – Culturgest – Gr. Auditório
24 OUT. 18:45 – Culturgest – Pq. Auditório

Nuukuria Neishon / Nuclear Nation
Atsushi Funahashi | 145′ / Japão / 2012
Investigações
Um documentário sobre o exílio dos habitantes de Futaba, a região onde se situa a central nuclear de Fukushima Daiichi. No dia seguinte ao terramoto de magnitude 9.0 de 11 de Março de 2011, os habitantes de Futaba ouviram a explosão de hidrogénio no reactor 1 e choveu-lhes pó radioactivo em cima. A cidade foi toda designada como “zona de exclusão”.
18 OUT. 21:45 – Londres – Sala 1
22 OUT. 21:30 – São Jorge – Sala 3
24 OUT. 16:00 – Culturgest – Gr. Auditório

Um Rio chamado Ave / A River called Bird
Luís Alves de Matos | 20′ / Portugal / 2012
Competição Portuguesa – Curtas
Uma viagem contínua entre o passado e o presente. Num sentido de impermanência, como a condição natural do rio e do Homem. Num voo rasante sobre as suas águas, desde o seu início nas montanhas até à sua foz, assistimos às consequências da indiferença do Homem para com a natureza. Mas o rio resiste. Pois tudo o que é profundo se revela à superfície.
22 OUT. 19:30 – Culturgest – Gr. Auditório
24 OUT. 16:30 – São Jorge – Sala 3

* Sobre os critérios: Em última instância, todos os documentários de um festival cuja missão passa por «ver e a pensar o mundo, promovendo, ao mesmo tempo, uma reflexão viva e actuante» enquadra-se forçosamente no âmbito da ciência, quanto mais não seja no levantamento de questões da sociologia, da antropologia e da psicologia. Esta lista é, assumidamente, uma de milhares de propostas possíveis para um roteiro.

Publicado por Sílvio Mendes

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s