Diálogo intercultural entre investigadores e profissionais

covermed[1]Recentemente realizou-se no ISCTE o Colóquio intitulado “Diálogo Intercultural: Barreiras e Oportunidades”.  Este evento permitiu apresentar diferentes perspectivas e formas de agir perante as diferenças culturais (a dos investigadores e a dos profissionais) é bem verdade.  Mas não é menos verdade que foram as disparidades entre o meio científico e o profissional-aplicado, uma das diferenças mais evidentes. Entendendo cultura como um conjunto de costumes, instituições e obras,  as diferenças entre a comunidade científica e os profissionais revelaram-se em si mesmas diferenças interculturais.  Os investigadores apresentaram os seus estudos e algumas reflexões acerca das suas implicações,  como é seu costume. Os profissionais descreveram a forma como trabalham em contextos de interculturalidade, focando o modo como são resolvidos os problemas que dela derivam; falaram em nome das suas instituições. Pois bem, nem uns nem outros se propuseram a utilizar o diálogo para averiguar de que forma a investigação científica poderia servir os profissionais presentes no evento ou os profissionais poderiam aplicar a investigação científica ali apresentada.

Nas mesas temáticas produziram-se informações sobejamente ricas e interessantes, que no entanto pecaram precisamente pela falta de diálogo intercultural! Os membros das mesas não perderam tempo a encontrar pontos de contacto entre os conteúdos que apresentavam, em criar pontes entre os resultados que os cientistas descreviam e as dificuldades que os profissionais denunciavam. O distanciamento entre os códigos e critérios do mundo da ciência e do da intervenção constitui um obstáculo muitas vezes difícil de transpor. Nesta ocasião, como em tantas outras, chegaram a dar-se choques entre o pensamento fundamental de alguns investigadores e as ideias ancoradas na prática dos profissionais. Aconteceu à volta da temática escola-educação. Os pressupostos teóricos da integração comprometiam os investigadores com a defesa de turmas interculturais e a rejeição da segregação dos alunos de acordo com a sua cultura de origem.  Contrariamente, as pessoas que desenvolviam actividades dentro das escola, descreviam o importante papel das turmas exclusivamente formadas por crianças estrangeiras/imigrantes na aprendizagem da língua portuguesa com posteriores beneficios para integração destas crianças.

Publicado por Beatriz Lloret

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s