1. Histórias naturais: A orquídea mentirosa e a ejaculação da vespa

Orquídea do género Cryptostylis e polinizador

Orquídea do género Cryptostylis e polinizador

Uma das primeiras coisas que nos apercebemos ao estudar biologia um pouco mais é que, para qualquer regra que tenha sido estabelecida, existem sempre excepções. Por vezes essas excepções são bem mais interessantes do que a regra e o seu estudo pode levar-nos a perceber muito melhor essa mesma regra. Um artigo* recentemente publicado no The American Naturalist mostra, mais uma vez, que a relação justa e fiel entre as flores e os seus insectos polinizadores pode afinal envolver um pouco de mentira. Neste caso, uma dose extrema de mentira. A flor, uma orquídea australiana (género Cryptostylis), atrai machos da vespa Lissopimpla excelsa usando como “isco” algo irresistível para um macho: o cheiro de uma fêmea! A mentira é tão perfeita que leva os machos não só a copular com a flor, como a ejacular. Porque teria a orquídea evoluído tal semelhança? Quais os custos para os machos? Será que estes aprendem a reconhecer a mentira? Estas são algumas das perguntas que os autores tentam responder e que fazem com que ler este artigo se assemelhe a ouvir uma aventura dos nossos avós contrabandistas!

A relação entre plantas e os seus insectos polinizadores é normalmente baseada na “confiança” entre as espécies envolvidas de que a planta fornece de néctar o insecto, e este leva consigo grãos de pólen essenciais para a reprodução da mesma planta. Mas há excepções. Na família das orquídeas as excepções representam quase tantas espécies como a regra. Estas orquídeas não retribuem o esforço dos insectos que as polinizam, usando uma variedade de estratégias para enganar os mesmos. Entre essas estratégias há orquídeas que levam os machos de determinados insectos a copular com as suas flores. Gaskett e os co-autores do artigo “Orchid sexual deceit provokes ejaculation” repararam que após copularem com as flores das orquídeas, alguns destes insectos deixavam uma gota de líquido nas mesmas. A anáslise desse líquido revelou que os insectos estavam a levar essa cópula bastante a sério.

Sabendo que a produção de esperma tem custos para os indivíduos (ex.: massa corporal reduzida), estes cientistas perguntaram o porquê de tal acontecer. Para responder à questão analisaram o sucesso reproductivo de diferentes orquídeas, nas quais a intensidade da actividade sexual entre a planta e o insecto era variável (ex.: alguns copulavam sem ejaculação, outros apenas ficavam momentaneamente presos dentro da flor, etc). A resposta foi clara: plantas que levassem os insectos à ejaculação tinham uma probabilidade maior de serem polinizadas com sucesso. O casal vencedor (ou perdedor): as orquídeas do género Cryptostylis e os machos da vespa Lissopimpla excelsa.

É sabido que as orquideas produzem cheiros muito parecidos com as feromonas** produzidas pelas fêmeas de certos insectos. Os autores acreditam que, no caso das Cryptostylis, o cheiro por elas produzido é tão semelhante ao das fêmeas de Lissopimpla excelsa que estimula não só uma cópula extremamente vigorosa e longa, como um maior número de visitas por parte dos polinizadores, o que por sua vez leva a uma maior e melhor transferência de pólen. Apesar de bem montada… a mentira tem perna curta, com a experiencia os machos vão aprendendo a evitar estas orquídeas, sendo que após serem enganados alguns já nem aterram nestas plantas. Assim sendo como subsiste a mentira? Como são polinizadas estas orquídeas?! Servem-se da inexperiência dos mais jovens, aliada ao estilo de vida solitário destas vespas e ao facto de serem haplodiploides (as fêmeas só necessitam de machos para produzirem mais fêmeas; os machos nascem de ovos não fertilizados). Uma vez que são solitários não se pode dar uma transferência de informação entre gerações, cada indivíduo tem de aprender apenas e só através dos seus próprios erros – o que leva a que os mais jovens sejam também os mais enganados. Todo o sistema faz com que estas orquídeas pareçam mais perversas do que a mais perversa vilã de telenovela. Se não reparem: como no sistema haplodipoide as fêmeas da vespa produzem machos sem necessidade de esperma, está assegurado um fornecimento continuo de jovens machos no auge da sua ingenuidade e das suas capacidades sexuais (o pico de esperma acontece após emergirem). Como estes machos vão perder tempo e esperma em relações com as orquídeas é provavel que acasalem menos com as fêmeas, mas ainda assim o suficiente para estas não desaparecerem. Isto leva no entanto a que haja mais machos do que fêmeas na população, o que por sua vez faz com que haja mais competição entre machos, fazendo com que estes “pensem” menos na hora de escolher uma “fêmea”, e diminuindo o efeito da aprendizagem.

É doentio! Mas, extremamente belo: “Orchids exhibit an almost endless diversity of beautiful adaptations.” ***
* Gaskett, AC, Winnick, CG, Herberstein, ME; 2008; Orchid Sexual Deceit Provokes Ejaculation; The American Naturalist 171(6) pp. E206-E212

** A não ser que exista algo terrivelmente errado nos textos da wikipedia, irei usar frequentemente os links do site em português (ou inglês), para que os leitores possam clarificar alguns termos.

*** Darwin, C. (1862). On the various contrivances by which British and foreign orchids are fertilised by insects, and on the good effects of intercrossing (London: J. Murray).

Publicado por Ricardo Ramiro

7 responses to “1. Histórias naturais: A orquídea mentirosa e a ejaculação da vespa

  1. Fascinante relação entre espécies, sem dúvida. Vou pensar duas vezes antes de dizer a alguém que parece um vegetal.

    Abraço.

  2. não tem o que eu quero

  3. Uma história natural muito interessante!
    Parabéns pelo texto!

  4. Muito interessante, só me ocorreu uma dúvida: o que a planta ganha com isso? Enganar para atrair, enquanto as outras plantas apenas atraem “por natureza” (por assim dizer). As plantas ganham muitos menos só atraindo os machos. Evolução o que foi que você fez?!?
    Bom, talvez exista beleza no acaso afinal.

  5. Diogo, a resposta à sua dúvida está no texto:

    “plantas que levassem os insectos à ejaculação tinham uma probabilidade maior de serem polinizadas com sucesso.”

  6. Que loucura, isso realmente me impressionou.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s