0. A paragem sem assento

Na semana seguinte à defesa da tese voltei ao aceleradores de partículas de Grenoble para recolher dados, uma espécie de digressão de despedida ou viagem de finalistas (mas ocorreu-me que para uma viagem de finalistas do doutoramento, uma vez que não tive propriamente uma turma, deveria ter ido sozinho). Ao longo do próximo ano ainda hei-de escrever artigos sobre o trabalho em que andei envolvido e fechar alguns ciclos. Duas semanas depois já tinha agendadas reuniões por causa dos meus próximos projectos, mais ligados à comunicação de ciência. No fim de contas, o doutoramento foi só uma paragem e mal tive tempo de dizer cheguei antes de me por de novo a andar.

As contagens decrescentes sucedem-se umas às outras. Decidi terminar esta com a primeira frase da minha tese. Foi realmente a primeira frase que escrevi e tive especial cuidado, pois imaginei que fosse a frase mais lida de toda a tese.

“Proteins are polypeptide chains built from a repertoire of 20 aminoacids, but many also require tightly bound specific prosthetic groups or cofactors in the form of small molecules or metals for their biological activities.”

Publicado por David Marçal

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s